Entenda as principais tendências do mercado de trabalho e como preparar o aluno neste cenário

Avatar

A constante mudança do mercado de trabalho já não é novidade. Algumas delas foram antecipadas por conta da pandemia da Covid-19, sem dúvida. Diversos setores da economia sofreram uma devastação sem precedentes, ao passo que outros foram fortalecidos, provocando uma verdadeira mudança na maneira como produzimos e nos relacionamos no mundo do trabalho. 

Mas mesmo antes, esse caminho já estava sendo pavimentado. Para uma instituição de ensino superior, é imprescindível ter uma área de carreiras que esteja atenta ao movimento deste mercado. Entender como está o cenário, que áreas estão em alta e como preparar o aluno, são elementos-chave para propor um plano de carreira mais assertivo, de modo a alavancar o índice de empregabilidade não só entre alunos, como também egressos. 

Leia neste artigo um panorama das principais tendências em curso com dados.

 

Cibersegurança: a bola da vez 

Muito se tem falado sobre segurança de dados na internet. No início deste mês, a CyberNews, publicação especializada em cibersegurança, revelou aquele que pode ser o maior vazamento de dados da história. O RockyYou2021, como o caso ficou conhecido, somou mais de 8,4 bilhões de senhas expostas na internet. 

No Brasil, algo parecido e ainda mais alarmante ocorreu no começo do ano. O megavazamento de dados que jogou luz em informações como CPF, nome, sexo e data de nascimento de mais de 223 milhões de brasileiros. Este cenário já demonstra por si só que a área precisa de atenção. 

No entanto, quando o Colonial Pipeline, principal operador de dutos de combustíveis dos EUA, sofre um ataque cibernético em que precisa desembolsar US$ 4,4 milhões a hackers para recuperar seu sistema, o alerta de que empresas de todos os portes precisam se proteger torna-se preocupante. O caso aconteceu em maio último.

De acordo com a consultoria norte-americana Gartner, espera-se um crescimento de 12,4% do mercado global de produtos e serviços de cibersegurança só neste ano, movimentando US$ 150,4 bilhões.  

 

Tecnologia: um caminho sem volta

Nesse sentido, a tecnologia é um ponto de atenção. Desenvolvedores de software, especialistas em nuvem, customer e user experience são algumas das profissões que estarão em alta nos próximos anos. 

Isto porque praticamente todas as empresas precisam destes profissionais em diversas etapas de sua cadeia de atuação/produção, seja para migrar seu sistema para o online, ou atrair mais vendas por meio do comércio eletrônico.

Mesmo os alunos e egressos que não estudam ou trabalham exatamente com tecnologia, precisam se inteirar e adaptar. A alfabetização digital é quesito básico para o mercado de trabalho atual. 

Tanto o aluno, quanto o egresso precisam desenvolver as chamadas “tech skills” independentemente de sua área de atuação, buscando quais programas, plataformas e conceitos estão em alta para desenvolver melhor a sua função. 

 

Hibridização do local de trabalho 

Se anteriormente muitas empresas viam-se receosas em implantar o trabalho remoto, hoje já é uma realidade compulsória em muitos casos. Por outro lado, funcionários que acreditavam que trabalhar em casa seria uma mão na roda, agora muitos deles não recusariam trabalhar no escritório vez ou outra. 

Especialistas acreditam que o caminho daqui para frente será intermediário. A projeção para o pós-pandemia aponta que o trabalho não será exclusivamente remoto, tampouco presencial. O mesmo vale para a IES, que provavelmente encontrará um meio-termo entre a Educação a Distância (EAD) e a presencial. 

Neste quesito, um papel importante da área de carreiras da IES é incentivar e orientar a autogestão do aluno. Isto é, o senso de responsabilidade, autonomia e soberania ante a suas funções incumbidas. Desde o rigor com os horários até a identificação de novas dinâmicas para melhores entregas e relações. 

O mesmo vale para as chamadas soft skills, habilidades sociocomportamentais baseadas na interação humana, como pensamento analítico e crítico, aprendizagem ativa e resolução de problemas complexos. 

 

Alta concorrência

O índice de desemprego na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua atingiu recorde no primeiro trimestre deste ano, apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de 14,7% é a maior desde 2012. No mês passado, este mesmo índice entre profissionais com curso superior avançou 1,3%.

Além disso, para se ter uma ideia, antes da crise havia cerca de 200 mil novas vagas de trabalho no LinkedIn mensalmente. Segundo o diretor geral da rede social na América Latina, Milton Beck, esse número despencou para 150 mil mensais há exato um ano. Por outro lado, globalmente 3,5 milhões de empregos ficarão vagos neste ano, segundo dados da PWC

De fato, muitas empresas se retraíram por conta da pandemia, tornando o mercado ainda mais concorrido aos alunos e egressos que buscam uma oportunidade. A alternativa para reverter esse cenário é a educação continuada. 

 

Lifelong learning

Alunos e egressos que queiram se destacar no mercado de trabalho precisarão invariavelmente investir na educação continuada, e este é um papel fundamental da IES. 

O conceito conhecido como “lifelong learning” questiona a efetividade do modelo tradicional de educação que vigorou ao longo do século 20, incentivando uma educação contínua. Mais do que nunca, de olho nos novos anseios da sociedade e do mercado de trabalho, alunos e egressos precisam estar devidamente atualizados e capacitados. 

Na era de conteúdos gratuitos e plataformas de cursos online, a IES precisa se destacar ao investir em seus programas de educação continuada, de modo a transformar informação em conhecimento na prática. Não à toa, o setor de educação segue atraindo atenção dos investidores

Aqui, outro conceito que vale menção é o reskilling (requalificação) e o upskilling (aprimoramento). 

 

O papel da Symplicity neste cenário

As‌ ‌Instituições‌ ‌de‌ ‌Ensino‌ ‌possuem‌ ‌o‌ ‌importante‌ ‌papel‌ ‌de‌ ‌direcionar‌ ‌os‌ ‌estudantes‌ ‌nesse‌ ‌momento‌ ‌de‌ ‌incertezas.‌ A‌ ‌Symplicity‌ ‌as auxilia‌ ‌‌na‌ ‌implantação‌ ‌e‌ ‌digitalização‌ ‌das estratégias de empregabilidade, a fim de manter o aluno acolhido e bem orientado.‌ ‌Com‌ ‌o‌ ‌auxílio‌ ‌de‌ ‌uma‌ ‌ferramenta,‌ ‌o‌ ‌diálogo‌ ‌entre‌ ‌instituição,‌ ‌aluno‌ ‌e‌ ‌mercado‌ ‌de‌ ‌trabalho‌ ‌é‌ ‌facilitado.‌ ‌O‌ ‌engajamento‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌consequente‌ ‌resultado‌ ‌das‌ ‌ações‌ ‌também‌ ‌aumentam.‌ ‌

Entre em contato conosco para saber mais sobre nossa solução de carreiras e investir no desenvolvimento da sua IES!

Deixe um Comentário