Jornada da Empregabilidade: os destaques da edição 2020

Avatar

Durante os dias 17 e 18 de novembro, aconteceu a Jornada da Empregabilidade, o maior evento gratuito de empregabilidade da Symplicity. Esse ano o evento ocorreu 100% online, devido a pandemia da covid-19. 

Durante os dois dias de Jornada, mais de 400 pessoas estiveram conosco em 8 sessões na qual tivemos a oportunidade de  trocar informações e experiências com grandes players do mercado de ensino superior, debatendo as melhores práticas e estratégias transformar o ensino superior no Brasil em um modelo sustentável que acompanhe às transformações do mercado de trabalho e da revolução digital. 

Confira um resumo do que aconteceu em nossas sessões!

 Nicholas Standage, da Symplicity e Rodrigo Capelato do SEMESP, abriram a agenda de sessões do primeiro dia falando sobre a importância dos indicadores dentro do papel de carreiras, uma vez que só é possível gerenciar aquilo que se consegue mensurar. 

Os painelistas apresentaram exemplos de como os indicadores podem suportar outras áreas da instituição a um nível mais estratégico. Capelato reforçou que as instituições, de maneira geral, ainda focam quase que unicamente na gestão e report de indicadores Institucionais (CPA/INEP) e de Cursos (Autorização/Reconhecimento), e pouco naqueles relacionados com desempenho. E quando fazem, limitam-se ao ENADE. Indicadores relacionados à empregabilidade e preparação para o mercado de trabalho, que poderiam servir como report para a sociedade, para o governo repensar políticas públicas, entre outros, ainda são negligenciados. 

Nicholas destacou a importância de, antes de começar a coletar dados e tentar criar reports, discutir e definir a quais propósitos o escritório de carreiras servirá. Assim, interpretar os dados e transformá-los em informações úteis será mais fácil e resultado desse trabalho poderá ser usado, inclusive, publicamente, como ativo de diferenciação da instituição.

Logo após vimos na Laureate, como foi importante, o entendimento que a área de carreiras é mais que preparar um evento a um aluno. É entender toda a jornada dele. Também compreendemos como a instituição trabalha a massificação dos serviços de carreiras para todo o país de forma constante.

Na fala da PUCPR, conhecemos o processo de transformação que a área passou em 2018. Começando com o mapeamento das deficiências até a construção da mandala da jornada. Daniel da Laureate compartilhou como, a partir da definição de que empregabilidade seria uma estratégia institucional, reestruturaram o posicionamento da área de carreiras para uma atuação 100% e como esse movimento permitiu alcançarem mais alunos e serem um suporte importante em meio às restrições impostas pela pandemia da covid-19. 

A PUCPR mostrou como, em alinhamento com o posicionamento da instituição, o escritório de carreiras passou a atuar centrado nos clientes, o que engloba alunos, egressos, empregadores e gestão da IES, buscando entregar continuamente valor para todos os stakeholders.

 Continuando as sessões do período da tarde do primeiro dia da Jornada da Empregabilidade, entendemos como aplicar o conceito de empregabilidade com o conceito de trabalhabilidade, ou seja, gerar renda independente de emprego. 

A SER Educacional apresentou a sua maturidade no assunto, com a introdução da trabalhabilidade no plano pedagógico. A IES implantou o projeto há 5 anos, e apesar deste possuir uma base padrão, há especificidades em cada um dos cursos. Também tivemos a oportunidade de conhecer a estratégia da Cruzeiro do Sul, que implementou como disciplina obrigatória, as atividades de PAC, na qual o aluno precisa concluir nos semestre 1 e 2, os PACS. Essa estratégia surgiu com a percepção que os alunos chegam até a graduação muito crus, sem entendimento do que desejam para suas carreiras e dúvidas até mesmo quanto a escolha do curso. Depois, por mais chato que pareça a obrigatoriedade os alunos agradecem esse preparo para o mercado.

 Finalizando as sessões do primeiro dia, acompanhamos duas histórias de evolução,  da PUC Minas e Unifor. Na qual os escritórios de carreiras saíram do patamar de setor de estágio e se tornaram uma área estratégica de carreiras, sendo a ponte entre o setor acadêmico e mercado de trabalho. Esse trabalho integrado das áreas é aplicado nas duas instituições com foco na gestão de empregadores, de estágios e atividades em formato online para suportar as necessidades dos alunos durante a pandemia. Também foi destaque neste painel a importância da comunicação para atrair e engajar alunos, egressos e empregadores.

No segundo dia do evento, a primeira sessão apresentou como competências estão em alta e que precisamos nos preparar para isso. 

Em 2025, as deficiências no mercado de trabalho corresponderão a perda na economia de 3,8 trilhões. Por isso é importante, apesar de desafiador, saber medir competências cognitivas e comportamentais. Também foi apresentado no painel as habilidades essenciais no mercado para o futuro. São elas: pensamento adaptativo, resolução de problemas e inteligência social.

Seguindo, tivemos um importante painel com a presença da PUCPR, Yduqs e Symplicity. O painel expressou a representatividade da evolução do produto contratanet no Brasil. Além disso, a PUCPR nos mostrou que a partir da implantação, foi realizado efetivamente um trabalho de gestão do processo de estágio. Anteriormente, era feita somente o fluxo burocrático de papel. A Yduqs realizou vários eventos online ao longo do ano para apoiar os alunos que estão em todos os cantos do Brasil, como a Feira de Empregos, sessão de Pitch, etc.  E também conseguiu difundir a importância do envolvimento do time, que é enxuto, no trabalho de carreiras.

 Em nossa terceira sessão do dia acompanhamos case da Univates e suas multi-ações de relacionamento e proximidade com empresas da região que acabam por ofertar vagas aos alunos e enxergarem na instituição um referência em educação superior e um parceiro para o desenvolvimento humano de seus negócios. Da mesma forma, foi providencial ouvir o ponto de análise e os desafios da Symplicity e da CI&T na captação e retenção dos talentos necessários ao negócio quando o acesso às IES encontra obstáculos como distanciamento, falta de aproximação ou de relacionamento.

 Finalizamos o dia com chave de ouro em uma sessão que teve como objetivo discutir o papel do professor na orientação de alunos para a sua carreira, como parte da estratégia de empregabilidade de uma instituição de ensino. O painel foi apresentado pela professora Manoela Ziebell e Daniela Boucinha (Presidente e Diretora da Associação Brasileira de Orientação Profissional), mediado por Gustavo Rattay, Engenheiro de Soluções da Symplicity. 

Gustavo abriu a sessão apresentando os pilares de uma estratégia de empregabilidade desenvolvidos pela Symplicity, com foco no eixo de Áreas e Staff. A partir desta visão, foram apresentados indicadores da pesquisa Gallup- Strada de Egressos 2018, demonstrando o quanto alunos veem docentes como mentores em instituições de ensino, e a importância deste relacionamento no sucesso do aluno no ensino superior. 

Logo após, Daniela apresentou dados da sua pesquisa desenvolvida no programa de Doutorado, com foco no estudo da empregabilidade de alunos do Ensino Superior. Apresentou também informações relevantes sobre o conceito de Empregabilidade, e sua aplicação no contexto de Universitários. Manoela fechou a apresentação trazendo exemplos de atividades que docentes podem realizar para melhor orientar e preparar alunos para o mundo do trabalho. 

A Jornada da Empregabilidade 2020 foi um sucesso. Estamos ansiosos pelo ano que está por vir e pelas transformações e inovações que acontecerão no ensino superior. Esperamos você na Jornada da Empregabilidade 2021!

Deixe um Comentário